-

Perfil:
Idalino Abelardo De Freitas


Arquivos:

Amigos (0)::


fecientifica
25/04/2011 às 16:26

Voltando ao assunto anterior, outra coisa que eu considero absurdamente inacreditavel, mas que tem gente que acredita, sobre o suposto diluvio global, como oito pessoas, sendo quatro homens e quatro mulheres, sem nenhuma tecnologia, sem nenhuma ferramenta adequada, apenas com machados, facaos, machadinhas e mais algumas ferramentas rusticas. como conseguiriam essas pobres criaturas, construir uma arca gigantesca para eles e para um casal de cada especie de animal de toda a terra? naquela epoca eles pensavam que a terra era plana, o mundo para eles era a area que eles pudessem alcançar a cavalo ou a carros puxados a cavalos, ou a barcos movidos a velas e a remos. mesmo assim para que a arca tivesse espaço para abrigar, um casal de cada especie de animal dessa area ja era dificil, agora imaginem animais de toda a asia, de toda a europa e de toda a africa; seriam milhares de especies de animais, como essa pobre coitada dessa arca poderia suportar tanto casais de animais. isso sem contar com as milhares de especies de animais, que existiam no continente americano, que os pobres coitados do noe e seus familiares nem sonhavam que pudesse existir. ora, nem o maior navio que o homem pudesse construir, com toda tecnologia e ferramental adequado de hoje em dia, poderia ter espaço suficiente para abrigar um casal de cada especie animal de todo o mundo. mas espaço para estocar alimentos e agua para todos, agora, se fosse um diluvio parcial, que atingisse parte da asia e parte do oriente medio,  seria muito dificil, mas possivel. entao, uma grande enchente que houve naquela epoca , para eles ja era um diluvio mundial, o mundo  para os pobres coitados daquela epoca era muito restrito, agora hoje em pleno seculo vinte e um, as pessoas acreditarem nisso , ai e dose pra mamute, porque nem elefante aguenta, tamanho absurdo.



Comentários



Comentar post:

Nome/Apelido:


Email:


Comentário:



Não foi encontrado nenhum comentário!